Por que não acreditar no consenso e estar sempre passível a mudar?


Por que reagir ao movimento de preços e não prevê-los?

Por que não acreditar no consenso e estar sempre passível a mudar?

Por que ser especulador e seguir tendências ao invés de fincar raízes?

Alguém se lembra da ELPL4, considerada um os mais seguros investimentos para dividendos?

Ou da OGXP3, promessa de sucesso?

Será que Eike acerta a sua previsão mostrada na foto para a OGXP3? 

Confiram uma entrevista com o Nassin Taleb:

http://youtu.be/NxwN2MRbkho





Abaixo posto um artigo retirado da Revista Veja:

Fonte original: http://veja.abril.com.br/011008/p_090.shtml

Nassim Taleb: contra a futurologia


Especial Previsões
Contra a futurologia

Monica Weinberg
O libanês Nassim Taleb, 48 anos, doutor em probabilidade pela Universidade de Paris, diz que é patente loucura tomar decisões com base nos modelos matemáticos usados para fazer previsões sobre o comportamento do mercado financeiro. No entanto, é exatamente esse o passatempo preferido em Wall Street. Ele é expoente de uma corrente de economistas que se recusam a fazer o papel de futurólogos. "Ninguém espera que um médico saiba se haverá uma epidemia de sarampo no próximo ano ou que um biólogo diga como evoluirá a tromba dos elefantes, mas muita gente espera que um economista saiba exatamente quando virá a próxima crise da bolsa ou a próxima recessão", diz Timothy Taylor, economista da Universidade Stanford. Nassim Taleb trabalhou vinte anos em Wall Street, é professor de ciências das incertezas na Universidade Nova York e autor de The Black Swan (A Lógica do Cisne Negro, Best Seller). A editora Monica Weinberg o ouviu sobre sua aversão às previsões e sobre a atual crise de liquidez nos mercados financeiros.
Da riqueza ao pó – As instituições financeiras, apesar de se apresentarem como sólidas e conservadoras, vivem sentadas sobre verdadeiras bombas-relógio. Todos os dias, os bancos se expõem a um conjunto incalculável de riscos, em especial nas operações básicas, como financiamento de hipotecas e toda sorte de empréstimos. Curioso é que, no longo prazo, os bancos jamais ganharam um centavo com isso. Podem até lucrar muito por um bom tempo, mas esse dinheiro vira pó na primeira crise. Tudo indica que os Estados Unidos sairão dessa, mas restará um problema a ser enfrentado. O mercado financeiro ainda não entendeu que os riscos nesse negócio são infinitamente maiores do que aparentam ser.
Nas previsões os riscos somem – No setor financeiro, as pessoas preferem confiar em cenários futurísticos, que freqüentemente minimizam os riscos, a se defender do inesperado. Comparo os banqueiros aos perus. Durante todos os dias do ano, as pessoas alimentam tais aves, e cada refeição reforça nelas a crença de que a regra geral da vida é receber comida da espécie humana. Até que o açougueiro decide abatê-las. A ingenuidade do mercado financeiro, tal qual a dos perus, é não encarar o fato de que o passado fornece poucas pistas sobre o que virá no futuro. É preciso livrar-se da idéia absurda de que previsões otimistas bastam para controlar os riscos. Estudei esse assunto nos últimos vinte anos e concluí que 27 000 das principais previsões feitas pelos economistas nesse período não se confirmaram. A maioria delas passou longe do alvo. Nos Estados Unidos, dizia-se que o preço do petróleo estaria hoje em torno de 30, 35 dólares... Passou de 120. O número mágico para 2020 diz que o barril não passará de 25 dólares. Dá para acreditar? O problema é que os governos adoram essas previsões e constroem suas políticas baseados nelas. No dia-a-dia as pessoas incorrem no mesmo erro.
Prever e errar, é só começar – Os modelos estatísticos conseguem prever com bastante precisão as chances de sucesso em jogos de azar, a altura a que chegará uma criança na idade adulta ou a temperatura do dia seguinte. Em todos esses casos, as projeções podem se apoiar numa lógica já observada no passado, uma vez que obedecem a um padrão bem determinado. Mas, em um mundo tão complexo como o atual, são muitos os eventos inesperados e estes passam invisíveis aos olhos dos estatísticos. Tais situações, impossíveis de ser previstas, podem ter um enorme impacto na vida das pessoas, não apenas em economia. Os modelos matemáticos são incapazes de prever também a duração de uma guerra, as chances de alguém alcançar sucesso na carreira ou a temperatura na Terra milhares de anos mais tarde. Já tive diversas discussões com Al Gore (ex-vice-presidente dos Estados Unidos), que acredita ter nas mãos uma equação perfeita para prever o aquecimento global. Ele está errado. Futurologia é astrologia. Para mim, está claro que as pessoas devem fugir do excesso de planejamento apoiado em cenários. Se um médico vai atrás da cura de uma doença e encontra, por acaso, respostas para outra, evidentemente não deve desprezar o achado. O mundo estaria bem mais evoluído se cientistas e acadêmicos não fossem tão fechados à sorte e soubessem se beneficiar mais dela.
O desprezo às previsões – Errei muito quando trabalhava em Wall Street, justamente por me fiar em cenários que quase nunca se confirmavam. Foi com alguma dor, portanto, que aprendi a ignorar solenemente as previsões financeiras. Ganhei dinheiro sendo 90% das vezes extremamente conservador e 10% radicalmente ousado. Nas crises, fui o que menos perdeu dinheiro. Os mais bem-sucedidos de Wall Street são aqueles que, como eu, desprezam as previsões. Trata-se de uma minoria. Longe dos centros financeiros, as pessoas e empresas sabem que não se vai longe com adivinhação. Nos Estados Unidos, o melhor exemplo disso é o Vale do Silício. Lá, sou aplaudido. Em Wall Street, vaiado. Os bancos estão atrasados. No Pentágono, onde participo de um comitê de consultores, modelos para prever o futuro que jamais se provaram eficazes foram descartados há muito tempo. A própria Associação Americana de Estatística me apóia. Na ausência de uma previsão confiável, eles preferem não usar nenhuma. É o que tenho dito aos integrantes das duas campanhas presidenciais: não façam políticas públicas fiando-se em previsões.

Comentários

  1. Realmente nâo é possivel seguir o futuro, muito interessante essa matéria!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário



Postagens mais visitadas deste blog

Novas Opções de Bases de Dados Gratuitas para Amibroker

Como conectar-se com o Blog TFB