Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2011

ATIVOS QUE ESTÃO EM TENDÊNCIA QUALIFICADA DE ALTA ( Editado em 28/12/2011)

Imagem
Garimpando ativos,  dentre as "small caps" com bons fundamentos, e que, apesar do cenário de indefinição atual, estão em tendência de alta qualificada e que possuem aderência ao sistema, encontramos:

LLIS3
POMO4
FHER3
JHSF3
PINE4
LEVE3

Vale destacar que sempre devemos reagir ao mercado e não fazermos previsões. As entradas nos ativos são as plotadas com setas azuis e enquanto não houver outro sinal de saída (seta vermelha) e novo sinal de entrada, operações não são autorizadas pelo sistema.

Atualmente, na indefinição em que vivemos, entre entrarmos em ativos ainda sem qualificação da tendência e acompanharmos, para futuros trades, ativos que, ao largo da bovespa, tem uma tendência qualificada de alta, devemos ficar com a última opção (posição conservadora).

A LLIS3 segue em um trade já bem sucedido e fez um recuo até a EMA9.


 LLIS3

A POMO4  fez um recuo e forneceu sinal de saída pelo sistema, passamos a acompanhar o ativo, que utiliza o Hilo 9 de compra (conforme gráfico). A…

QUALIFICAÇÃO DA TENDÊNCIA - HILO-VIEIRA

Imagem
Realmente a questão da "qualificação da tendência", seja por uma análise do Ibovespa, do índice do setor, ou do próprio ativo (a qual prefiro) é, para mim, indispensável.

A média decenal (10 anos) de acerto dos sistemas "trend following", em ativos quaisquer, sem adotar o critério de aderência ao sistema e otimizações para a velocidade do ativo, beira os 50% ou até menos.

Se escolhermos ativos com aderência ao sistema e otimizarmos os parâmetros do sistema trend following e aqui poder ser qualquer um deles, conseguiremos uma melhor taxa de acertividade, acima de 60%.

Apesar de tudo isto, ainda teremos um "drawndow" que incomoda em períodos como estamos vivendo atualmente, de indefinição, em que sinais falsos são gerados, tirando a tranquilidade do trader.

Tiradas as conclusões acima, as quais além de serem dotadas de racionalidade, foram, por mim, constatadas através de backtestes em diversos ativos, podemos adotar duas formas de operar (se…

Diversificar a carteira traz benefícios? Simulação com VaR desmistifica a questão

Imagem
Fonte: http://www.sarojr.com.br/2011/03/diversificar-carteira-traz-beneficios.html

Quem nunca ouviu a recomendação de “nunca colocar todos os ovos em uma cesta só”? O tema diversificação de ativos é recorrente em qualquer conversa sobre investimentos e é tópico certo entre os consultores.
Embora o conselho seja válido dentro de uma série de procedimentos que buscam reduzir risco, uma dúvida muito comum pode surgir na mente do investidor: como a diversificação de portfólio protegerá efetivamente o meu capital investido no mercado?
Preocupado em responder tal questão e explorar mais as métricas que envolvem a gestão de carteira, Raphael Monaco Shiratori, FRM*, gerente de risco dos fundos Sparta, esclarece o mito "diversificação de carteira" através de cálculos envolvendo o VaR (Value at Risk), objeto de estudo no último ‘Manejo de Risco’.
Diversificação e correlação
Para falarmos de diversificação, o investidor deve entender como a correlação entre os ativos i…

PENSAMENTOS SOBRE "TREND FOLLOWING"

Imagem
Abaixo recortei algumas opiniões postadas por mim no fórum do interessantíssimo site www.tffn.com.br, que julgo interessantes para o entendimento do nosso sistema:


"Pessoal,

Uma questão também importante a ser discutida é a seletividade dos ativos.

Aqui devem entrar principalmente os fundamentos e histórico da volatilidade semanal do ativo.

Feita esta seleção dois caminhos podem ser trilhados:
I - sistematicamente operá-los, buscando a efetividade alcançada em baktestes em períodos pretéritos (coisa que nunca será alcançada, mas pode ser utilizada para descobrir o "tempo e velocidade" do ativo;
II - dentre os selecionados, operar aqueles que estariam em um melhor momento para trends, ou seja, aqueles que já confirmaram uma tendência mensal ou estão próximos disto.

Vale lembrar, se encontramos uma taxa de acerto de 70% para um ativo, mesmo que não realizemos todos os trades, em tese, todo trade aberto teria 70% de acerto no sistema.

Basendo-se nestas idéias, desenvolvi …

Análise Técnica X Análise Fundamentalista

Imagem
Será que realmente existe esta dicotomia, Análise Fundamentalista X Análise Técnica?

Do meu ponto de vista não há.

Podemos selecionar empresas sólidas, não para sermos sócios, ficando posicionados ao estilo " buy and hold", mas para fazermos trades com as mesmas, entrando em pontos favoráveis (em tese, já que aqui quem dita as regras é o mercado).

Um site interessantíssimo é o "FUNDAMENTUS" (http://www.fundamentus.com.br/index.php). Já havia passado os olhos anteriormente no mesmo, mas sem dar o valor merecido.

Após uma dica do Ernesto, o Trader Tranquilo, passei a analisar os ativos por mim operados, em função unicamente de seus fundamentos, o que me levou a reflexões.

Assim, possivelmente, após os trades fechados, recomporemos nossa carteira aqui acompanhada.

Além disto, mediante sugestão dos que aqui acompanham, podemos analisar outros ativos também.

LLIS3 - análise pelo Hilo-Vieira

Imagem
Atendendo a pedidos, segue o gráfico da LLIS3, uma das poucas ações que estão com viés de alta no mensal e no trade atual está dando alegrias a quem nela acreditou.



Infelizmente, não embarquei neste ativo e agora novas entradas estão muito longe do stop manual definido pelo hilo (escadinha azul).

OTIMIZAÇÃO DO SETUP : HILO-VIEIRA

Imagem
Durante o estudo da filosofia "trend following"  e seus sistema de trade, concluímos que o fator mais desfavorável nesta filosofia para seus investidores é a baixa taxa de acerto dos sistemas existentes.

Portanto, o sinais de entrada (compra) falsos acabam por gerar um "drawdown" (perda de capital) que, embora devessem ser considerados normais para os seguidores de tendências, sempre incomodam.

A confiança do investidor em seu sistema de trade sempre é posta a prova quando surgem sinais falsos no seu "setup".

Pelos nossos estudos, percebemos que quanto maior a taxa de acerto de um sistema de trade, mais fácil para o investidor seguir com confiança este sistema de trade e auferir lucros ao longo do tempo.

Destes estudos, criamos um filtro de sinais falsos em sistemas "trend following", a Qualificação da Tendência, que é uma  uma forma de avaliar a tendência primária dos ativos que operamos.

 Portanto, a Qualificação da Tendência nada mais é do qu…

Bolsa Volátil e Indefinida = Saída de investidores individuais

Ser um trader e operar na Bolsa é uma idéia que atrai muitos.

Entretanto, a grande maioria dos invetidores individuais não tem um mínimo de discernimento dos riscos inerentes a estas operações ou mesmo inteligência emocional para suportar períodos de prejuízos em suas operações.

Sem um plano de operações, sem ser sistemático, o trader fica sujeito as suas emoções nas suas operações, diminuindo seus lucros e aumentando seus prejuízos.

Com planejamento, confiança no método operacional e tranquilidade as fases de prejuízo na bolsa são posteriormente compensadas pelos lucros em operações vencedoras. Quando isto ocorrrerá? Somente o mercado dirá.

Como resultado desta premissa acima, grande parte dos investidores individuais, ao suportarem prejuízos, tendem a sair definitivamente da bolsa. Este fato é visualizado pela redução do número de investidores pessoa física na Bolsa em novembro.


Segundo a BM&FBovespa, o número de investidores segue a tabela abaixo:

MêsInvestidores Pessoa FísicaOu…