SETUP TREND FOLLOWING HILO-VIEIRA - Vale a pena ler de novo

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

(Artigo publicado em 30/05/2012)
  http://www.trendfollowingbovespa.com.br/2012/05/artigo-setup-trend-following-hilo.html

A adoção de um sistema de trade objetivo, como o sistema Hilo-Vieira, que utiliza otimizações para a velocidade e volatilidade de cada ativo e opera na direção da tendência dominante, trará além de lucros, tranquilidade e segurança ao investidor.




INTRODUÇÃO 

O “trend following” mostra-se a filosofia de investimentos mais tranquila e segura de operar-se a renda variável. Isto porque, somente estaremos presentes no mercado durante as tendências e sempre realizaremos nossas operações na direção da natural movimentação dos preços, definida pela expectativa do conjunto de investidores sobre o mercado.

Trataremos neste artigo sobre as linhas gerais desta filosofia e sobre um sistema de trade objetivo, no prazo semanal (position), chamado Hilo-Vieira. 


TREND FOLLOWING 

Em uma tradução livre, o “trend following” significa seguir a tendência, ou seja, seguir o movimento inercial do papel, seja para cima (tendência de alta) ou para baixo (tendência de baixa).

Significa observar a realidade e a direção da oscilação dos preços e posicionar-se (operar) na direção atual do mercado.

O “trend following” se afasta totalmente da análise técnica tradicional ao aceitar, de início, a imprevisibilidade e aleatoriedade do mercado.

Não fazemos previsões pela análise de gráficos, apenas identificamos possíveis pontos interessantes para operações, seguindo o movimento dos preços.

 

O “trend following” reage a realidade, a análise técnica tradicional acredita poder prever futuro.

Logicamente que o “trend following” beberá da fonte de alguns conceitos da análise técnica tradicional. Entretanto, os interpretará a luz da total imprevisibilidade e aleatoriedade do mercado.


INTRODUÇÃO A TEORIA DE DOW 


Para entendermos o conceito implícito na filosofia “trend following” de investimentos, temos que falar de tendências e de Charles Dow.

Toda a base da Análise Técnica Moderna tem como base os estudos de Charles Henry Dow, que criou a “Teoria de Dow”, cuja principal contribuição foi destacar que o mercado se move em tendências (alta e baixa).

Por sua vez, as tendências podem ser primárias, secundárias e terciárias, segundo sua duração.

 

A tendência primária é facilmente identificada observando-se um gráfico em período mensal de um ativo (ação). Esta tendência é chamada por muitos a verdadeira "mão do papel" ou o verdadeiro caminho inercial do ativo. Por tudo isto, é a mais forte e mais duradoura tendência, persistindo por meses e até anos.

Charles Dow comparava as tendências ao mar, dizendo que a maré enchendo e maré vazante seriam as tendências primárias, respectivamente, de alta e baixa.
Entretanto, como o mercado, o mar não caminha em linha reta, sempre existindo idas e vindas, como as ondas do mar. A cada onda, o mar avança e recua. Sendo que, na maré enchente, o avanço sempre é maior que o recuo.
Estes avanços e recuos, dentro de uma tendência primária, são as tendências secundárias.

A tendência secundária tem duração menor, fazendo parte integrante de uma tendência de maior duração (primária). São facilmente observadas em um gráfico semanal, tendo duração de semanas a alguns meses. Como no exemplo anterior, as ondas do mar, integrantes do fluxo das marés, seriam as tendências secundárias de alta e baixa.

As tendências terciárias, por sua vez, integram a tendência secundária. Tem duração muito mais efêmera. São observadas em gráficos diários e intradiários, tendo duração de algumas horas até alguns dias. Se formos compará-las ao mar, as tendências terciárias, muito menores, seriam a variação da espuma das ondas.

O que é importante salientar é que, mesmo em uma tendência primária de alta, haverão períodos de oscilação positiva nos preços (tendência secundária de alta) e um natural recuo ou correção (tendência secundária de baixa).

Os "trend followers", ou seguidores de tendência, observam a oscilação dos preços para encontrar pontos interessantes de entrada e seguir tendências existentes nos preços dos ativos (ações).

É uma filosofia reativa e não preditiva. O dado principal decorre da simples oscilação nos preços das ações, formada pela expectativa do conjunto de investidores no mercado.


Fases das Tendências 


Além disto, Dow destacou as fases das tendências, de acordo com o ânimo psicológico dos investidores:

- Tendência de Alta : 

1) Acumulação - Quando os grandes "players" do mercado atuam, começam a comprar suas posições, que representam grandes e vultuosas quantias de dinheiro, os preços começam a subir, nitidamente pelo aumento da demanda. Aqui aparece o chamado "Smart Money" (grandes fundos de investimentos), que apenas são assim chamados por alocarem enormes quantias de dinheiro e conseguirem movimentar para cima os preços ao decidirem investir em alguma empresa ou mercado. Nesta fase as notícias do mercado são as piores possíveis ("o fim dos mercados se aproxima", recessão por mais 10 anos"). 

2) Alta moderada - Nesta fase, os sistemas “trend following” dão seus sinais de compra, justamente por observar a inicial alta nos preços. Aqui também estão presentes os investidores institucionais, grandes bancos.
OBS: Nesta fase, as notícias são desanimadoras, afirmam que o momento é de cautela e que o pior ainda não passou.

3) Forte Alta - Fase marcada pela euforia dos pequenos investidores, amadores e público em geral. É a fase em que a renda variável já acumula recordes em valorização, sendo destacada pelas mídias como o melhor investimento. Sentimentos de otimismo dos investidores e da economia. Todas as notícias são favoráveis.

- Tendência de Baixa:

1) Distribuição - Primeira fase da tendência de baixa, ocorre quando os grande "players" do mercado atuam, começam a vender suas posições, recolhendo os lucros de suas posições antigas. Neste ponto, os sistemas de trade “trend following” observam a reversão nos preços e indicam a saída das operações.
Aqui as notícias são excelentes e maioria dos amadores e pequenos investidores compram tudo que podem acham as ações baratas. 

2) Baixa moderada - Esta é a fase em que a queda nos preços se acentua, pela venda sistemática de posições pelos grandes traders. Os pequenos investidores e pessoas físicas começam a ficarem apreensivos com as perdas, mas esperam que no "longo prazo" as ações voltem a subir (sentimentos de medo, esperança e otimismo).

3) Forte Baixa - É a fase do pânico, jornais noticiam que os mercados estão em profunda crise, investidores se desesperam e vendem tudo a preços irrisórios. Terror, medo, desespero, arrependimento, temor são sentimentos que dominam aqueles que entram na renda variável sem planejamento.


 


TEORIA DA FORMAÇÃO DAS "BOLHAS" 
http://people.hofstra.edu/jean-paul_rodrigue/index.html


Dr. Jean-Paul Rodrigues: "Bolhas podem ser muito prejudiciais, especialmente para aqueles que chegaram tarde, com a esperança de conseguir algo por nada. Mesmo que eles são eventos inflacionárias, o resultado de uma bolha fora do golpe é muito deflacionária como grandes quantidades de capital desaparecendo na onda de falências que gatilharam. Historicamente, eles tendem a ser muito "in-between", mas ao longo da última década registaram as maiores bolhas da história humana "back-to-back", o mercado de ações (que deflacionado em 2000) e do imobiliário (que é provável que a deflação em 2006)."




PRINCÍPIOS DE UM TREND FOLLOWER: 


O trend follower (seguidor de tendências) acredita e baseia-se na Teoria de Dow, mas com a ressalva de não acreditar ser possível prever a futura dinâmica dos preços. 

Algumas premissas devem ser aqui elencadas para o sucesso no mercado de ações:

I – Os preços descontam tudo: proibição de olhar notícias, canal da Bloomberg, seguir conselhos de amigos ou de fóruns de discussão.

Tipos de traders: Fundamentalistas
Técnicos e Trend Followers 
Smart Money (insiders)
Amadores (público em geral, sem qualquer planejamento e os pseudo-informados)

II - Seguir os três M`s de Alexander Elder: (Método, Mente e Manejo de Risco)

III - Seguir a tendência principal do ativo: (comprar força e vender fraqueza).

IV - Seguir um sistema de trade com confiança e disciplina (análise objetiva que deriva da adoção de um trade system)

V - Utilizar sempre Manejo de Risco. Todo trader deve iniciar suas operações visualizando o seu risco.

VI - Reagir a movimentação de preços, nunca tentar antecipar ou prever nada. O trend follower não tem a pretenção de saber ou tentar advinhar o futuro.

VII - O mercado é aleatório e, além disto, totalmente imprevisível - Não iludir-se pela estatística, que apesar de ser ferramenta muito interessante para análise dos ativos, sucumbirá ante eventos humanos e naturais imprevisíveis.

Podemos concluir que o "trend follower" é um trader que tem ciência da imprevisibilidade e aleatoriedade do mercado, que busca seguir a movimentação dos preços nos ativos operados, esperando embarcar em uma tendência, mas sempre adotando um manejo de risco adequado. 


SISTEMAS DE TRADE 


O descontrole emocional dos investidores é um dos principais fatores que afetam a tomada de decisão dos traders (operadores do mercado financeiro), já que a tomada de decisão subjetiva ou discricionária é afetada por sentimentos de otimismo, pessimismo, medo e ganância que acomete todos os seres humanos ao lidar com dinheiro e investimentos onde o risco é inerente, especialmente na renda variável.





Uma forma de mitigar o danoso efeito das emoções nas operações em renda variável é adotar um trade system (sistema de trade ou setup) que objetivamente dará ao operador pontos objetivos de compra, venda e “stop loss”(saída da operação com prejuízo quando a operação (trade) não evoluir).

Existem inúmeros sistemas de trade ou setups. Adotamos um sistema de trade objetivo, com regras claras para as operações em renda variável.

Além disto, todos os parâmetros dos nossos sistemas são otimizados. O que significa que a partir de exaustivos backtestes (visualização do desempenho do sistema de trade no passado) adotamos parâmetros ideais para operar cada ativo (ação), privilegiando sempre o nível de acerto em detrimento a uma maior rentabilidade, visando assim, conferir maior segurança e estabilidade do sistema de trade.

As nossas taxas de acerto nos ativos acompanhados supera os 80%, o que não significa a ausência de risco. 

Por isto, o manejo de risco é figura indispensável em cada operação para limitar as perdas e garantir que o trader não seja "expulso" do mercado em períodos em que houverem "sinais falsos" (trades no prejuízo) dados pelo sistema de trade.


SISTEMAS DE TRADE HILO-VIEIRA 


O Hilo-Vieira é um sistema de trade “trend following” para o tempo gráfico semanal, que vai utilizar a qualificação da tendência como um filtro nos trades.

Em uma evolução no estudo da filosofia "trend following" e seus sistemas de trade, concluímos que o fator mais desfavorável nesta filosofia para seus investidores é a baixa taxa de acerto dos sistemas existentes.

Portanto, o sinais de entrada (compra) falsos acabam por gerar um "drawdown" (perda de capital) que, embora devessem ser considerados normais para os seguidores de tendências, sempre incomodam.

A confiança do investidor em seu sistema de trade sempre é posta a prova quando surgem sinais falsos no seu "setup".

Pelos nossos estudos, percebemos que quanto maior a taxa de acerto de um sistema de trade, mais fácil para o investidor seguir com confiança este sistema de trade e auferir lucros ao longo do tempo.

Destes estudos, criamos um filtro de sinais falsos em sistemas "trend following", a Qualificação da Tendência, que é uma forma de avaliar a tendência primária dos ativos que operamos.

Portanto, a Qualificação da Tendência nada mais é do que observar a tendência no período de tempo superior ao que operamos, para que sempre estejamos operando na direção da "mão forte do mercado".

Desta análise, podemos operar de duas formas, uma mais arrojada (Hilo-Vieira Piramidado) e outra mais conservadora (Hilo-Vieira Qualificado)


ENTENDENDO O SETUP 

O setup que será aqui utilizado é baseado na filosofia "trend following".

O viés de alta ou baixa do ativo acompanhado é definido pelo rastreador de tendência MACD (Moving Average Convergence / Divergence) (Convergência e Divergência de Médias Móveis) e confirmado pela EMA (média móvel exponencial) de 9 períodos apontada para cima.

Cada ativo possui parâmetros específicos de MACD a serem utilizados, validados através de backtestes.

Todas as operações são abertas e fechadas somente as sextas-feiras (ou o último dia de pregão da semana), a partir das 16:00hs. 

Não existe "stop" automático, o “stop” das operações é manual.

Adotamos também um filtro chamado qualificação da tendência, que nada mais é do que uma forma de identificar a tendência primária do ativo operado, observada no período mensal


HILO-VIEIRA QUALIFICADO 


Esta é uma forma de operar mais conservadora, onde ficamos menos tempo posicionados nos ativos acompanhados e somente entramos quando a tendência de alta já está qualificada e são dados os normais sinais de entrada pelo sistema.

COMPRA= Hilo violado para cima + MACD positivo + EMA virada para cima + QUALIFICAÇÃO DA TENDÊNCIA.

VENDA = Hilo violado para baixo

Esta forma de operar tem uma incrível taxa de acerto, filtrando a maioria das entradas falsas que minam o psicológico dos traders que operam "trend following".

Logicamente, por esperarmos mais para entrarmos nos trades, teremos uma rentabilidade em trades específicos menor do que o sistema Hilo-Vieira Piramidado.

Entretanto, acreditamos que, por ser um sistema de trade mais seguro e tranquilo de se operar, o trader (investidor) mais facilmente seguirá o sistema, o que potencializará seus lucros ao longo das operações. 

BRKM5
 

OHLB3
 



HILO-VIEIRA PIRAMIDADO


Aqui, a qualificação da tendência definirá o "peso" das entradas, ou seja, definirá o montante do capital destinado ao ativo que alocaremos nos sinais de entrada definidos pelo sistema.

Dito de outra forma, piramidaremos posições, fazendo mais de uma entrada com capital dividido em duas partes (50% + 50%)

Como já dito, cada ativo possui parâmetros específicos de MACD e Hilo Activator a serem utilizados, validados através de backtestes.

Todas as operações são abertas e fechadas somente as sexta-feiras (ou o último dia de pregão da semana), a partir das 16:00hs. Não existe "stop" automático, o stop sempre será manual. 

Definido o viés de alta no ativo pelo MACD Otimizado Semanal, a primeira compra (entrada) é autorizada quando Hilo Activator é violado para cima e passa a configurar o "stop" manual das operações, estando a média exponencial de 9 ascendente. 

1ª COMPRA ( 50% do capital destinado ao ativo)= Hilo violado para cima + MACD positivo + EMA 9virada para cima

2ª COMPRA ( 50% do capital destinado ao ativo)= Hilo violado para cima + MACD positivo + EMA 9 virada para cima + Qualificação da Tendência.

VENDA = Hilo violado para baixo.

Portanto, aqui, a qualificação da tendência representa uma forma de piramidar posições durante as operações.

A qualificação da tendência determinará o "peso" da operação a ser realizada:

I - caso o ativo (ação) não esteja com sua tendência qualificada, aparecendo sinal de entrada no semanal, entraremos no ativo, mas com 50% do capital a ele destinado;

II - se o trade desenvolver, aparecendo a “qualificação da tendência” , entraremos com os outros 50%; 

III- caso a entrada no semanal ocorra, estando em alta também no mensal, entraremos com 100%. 

Abaixo exemplos das entradas pelo sistema Hilo-Vieira Piramidado.

BRKM5
 

OHLB3
 


CONCLUSÃO


A adoção de sistemas objetivos de trade, aliados um boa otimização dos parâmetros dos sistemas para velocidade e volatilidade de cada ativo operado, são ferramentas que, se utilizadas para operar tendências, trarão uma alta taxa de acerto e bastante tranquilidade emocional aos investidores que a operarem.

 

Fernando Vieira

0 comentários:

Postar um comentário



 
Trend Following Bovespa © 2012 | Designed by Bubble Shooter, in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions